Em carta, iraniana pede a Lula que não reconheça governo do país

A assessoria da Presidência da República disse que não se pronunciaria sobre a carta.

“Carta aberta ao presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva

Um regime com apedrejamento não deve ser reconhecido

Caro Presidente Lula da Silva,

Sua oferta de asilo a Sakineh Astiani, que foi setenciada à morte por ter mantido uma relação fora do casamento, é um importante passo para salvar a ela e seus filhos. Eu espero que junto com outras ações e esforços internacionais que milhões de pessoas estão fazendo agora mesmo possamos salvar Sakineh e que ela e seus filhos possam se abraçar novamente em breve.

Enquanto escrevo esta carta vejo o rosto de Maryam Ayoubi, que foi apedrejada até a morte em 2001. Vejo também o rosto de Shahnaz, Shahla, Kobra e dezenas de outras mulheres que foram enterradas até a altura do peito i mortas por pedras lançadas contra elas. Continuo a ver estas imagens diante dos meus olhos. As vozes de seus filhos me dizendo: “Nossa mãe foi morta a pedradas”. Eu ainda os ouço. Este é o regime islâmico. As leis no Irã não podem sobreviver um dia sem execuções, terror e espalhando medo. Embora este regime tenha recuado um pouco devido à pressão para libertar Sakineh, eles continuam espalhando medo na sociedade e executando prisioneiros, especialmente os prisioneiros políticos.

Hoje, 2 de agosto, nove pessoas foram sentenciadas à morte em Kerman. Além disso, a promotoria em Teerã condenou seis presos políticos à morte, entre eles Jafar Kazemi, que pode ser executado a qualquer momento. Zeynab Jalalian, outra prisioneira política também corre risco iminente de ser executada. Há mais pessoas nesta lista de execuções: Mohammad Reza Haddadi foi sentenciado à morte ainda quando era menor e pode, agora que completou 18 anos, ser executado a qualquer momento. Há mais de 130 menores na prisão condenados à morte. O regime islâmico é o único no mundo que executa menores.

Presidente Lula da Silva, hoje há 17 famílias de presos políticos em greve de fome em frente à prisão de Evin, em Teerã, em solidariedade à greve de fome que seus filhos iniciaram alguns dias atrás dentro da prisão. É um protesto contra a brutalidade das autoridades contra os presos políticos. O destino de três jovens escaladores americanos e as lágrimas de suas mães também tem comovido o povo. Este regime prendeu parentes do advogado de Sakineh Ashtiani, Sr. Mostafaei, e os mantêm detidos até que ele se entregue às autoridades.

Presidente Lula da Silva, o Irã é um país com um regime brutal e criminoso. Um regime assassino deve ser condenado por todos os povos e governos. Permita-me, como uma representante do povo oprimido do Irã, dizer que eu não quero apenas salvar Sakineh e abolir o apedrejamento, mas também questionar todos os chefes de Estado a não reconhecer o regime islâmico como representante do povo iraniano, mas como uma ameaça ao povo do Irã.

Este regime é um governo do apedrejamento e execução que prende pessoas todos os dias e corta suas mãos e pés. Este é um regime que executa mais pessoas per capita que qualquer outro governo no mundo. Um regime como este não pode ser reconhecido por organizações internacionais e chefes de Estado.

Sinceramente,

Mina Ahadi
Porta-voz do Comitê Internacional contra Execução e do Comitê Internacional contra o Apedrejamento

2 de agosto de 2010″

Fonte: G1

Anúncios

Publicado por

lutatotal

URUBICI SC - Natural de Santiago do Boqueirão RS. Jornalista Freelancer - Blogueiro, Mtb-DRT 004028SC. Sem filiação Partidária

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s